Suíça: 35 fatos surpreendentes sobre o país - Mega Curiosidades

35 fatos surpreendentes sobre a Suíça

Teste seus conhecimentos suíços com essas curiosidades surpreendentes. Enquanto o Velcro e o LSD se originaram na Suíça, o café mais caro do mundo também é de lá.

Túnel mais longo do mundo

O túnel Gotthard da Suíça é o mais longo do mundo, medindo 57 km de comprimento. Enquanto está localizado a 2,3 km dos Alpes, é 7 km mais longo do que o túnel do Canal entre a Inglaterra e a França. Desde então, levou 17 anos para ser concluído, tornando assim o túnel mais caro do mundo atual, custando 12,3 bilhões de dólares. Mas como resultado, hoje corta 45 minutos de viagem entre Zurique e Lugano e impulsiona o corredor Reno-Alp. Além de se estender até Roterdã, na Holanda, cruzar a Alemanha e ligar o porto de Gênova, na Itália.

Taxa de divórcio

Quase metade dos casamentos na Suíça termina em divórcio, a taxa de divórcio foi diminuindo gradualmente. Mas aumentou para 41,4% em 2015; Neufchâtel (48,6%) e Genebra (47,7%) registraram as taxas mais altas. Além disso, as pessoas se casam relativamente tarde no país suíço, homens com 31,8 anos e mulheres com 29,6 anos. Como resultado, o número médio de filhos por mulher é cerca de 1,5.

Salário suíço

O país europeu tem o terceiro maior salário e segurança no emprego de todos os países da OCDE. Portanto, trabalhadores suíços ganham em média US$ 57.082 por ano, classificados após Luxemburgo (1) e EUA (2). Porque perdem apenas uma média de 1,7% dos ganhos se desempregado. Enquanto em 2015, cerca de 80% da população de 15 a 64 anos tinham um emprego remunerado, a segunda maior taxa de emprego da OCDE, e apenas 1,7% da força de trabalho estava desempregada há um ano ou mais, abaixo da média da OCDE de 2,6%. Além disso, o país tem consistentemente classificado como um país de topo para o emprego jovem.

Mulher na política

As mulheres não ganharam o voto em nível federal até 1971, enquanto ainda estão sub-representadas na vida política. Mesmo o país ser frequentemente elogiado como um modelo de democracia direta.

Conselho executivo

O país não é governado por um chefe de estado. Mas pelo contrário, tem um conselho executivo de sete membros que serve como chefe de estado coletivo suíço. Portanto, um presidente é eleito por um ano no cargo e é considerado como o primus inter pares, ou o primeiro entre iguais, durante este tempo.

Igualdade de remuneração

A Suíça fica atrás da maioria dos países da Europa Ocidental em áreas de igualdade de gênero. Devido a isso, em 2015, apenas 41,3% das mulheres trabalhavam em período integral, comparado a 83,6% dos homens, e menos de 20% dos cargos nacionais de tomada de decisões eram ocupados por mulheres. Apesar do compromisso com a igualdade de remuneração entre homens e mulheres, o país classifica 24 dos 38 países da OCDE para a desigualdade de gênero nos salários, com cerca de 17% de diferença. No entanto, o relatório de Schilling em 2017, informou que as mulheres agora representam um quinto dos novos cargos executivos. Como resultado, ficando acima dos 4% do ano anterior, aumentando em um ano tanto quanto os 10 anos anteriores combinados.

Estrangeiros

Os estrangeiros representam quase 25% da população, um dos maiores percentuais do mundo. No entanto, em fevereiro de 2014, os eleitores suíços passaram por uma controversa iniciativa sobre anti-imigração. Desde então, o objetivo seria impor limites ao número de estrangeiros permitidos no país. Enquanto isso, também sinalizou o fim do acordo de livre circulação do país com a União Europeia, embora esteja atualmente em negociações na UE. Apesar disso, Schilling informou que o número de estrangeiros nas diretorias suíças subiu para 45%. Consequentemente, destacando a necessidade atual de executivos, independentemente da nacionalidade.

Tabagismo

O consumo de tabaco é generalizado, cerca de 28,2% da população era fumante no último relatório do governo (2012). Devido a conscientização dos riscos à saúde e aumento dos preços, houve um declínio. Mas ainda há uma diferença significativa entre britânicos e americanos, com 19% e 16,8%, respectivamente.

Consumo de maconha

O país tem uma das maiores taxas de consumo de cannabis no mundo, juntamente com os EUA e a Grã-Bretanha. Porque estima-se que cerca de 600.000 usuários recebam 100 toneladas de haxixe e maconha por ano. Desde outubro de 2013, a posse de maconha foi descriminalizada. Portanto, qualquer pessoa com mais de 18 anos de idade apanhada com até 10g pode pagar uma multa. Mas não haverá nenhum procedimento legal formal.

Línguas oficiais

O país tem quatro línguas nacionais. Enquanto o inglês seja cada vez mais popular, as quatro línguas oficiais são francês, alemão, italiano e reto-romanche (com raízes latinas), embora a proficiência em outra língua nacional esteja diminuindo em favor do inglês. Além disso, cerca de 60% da população tem proficiência em inglês. Portanto, o país ocupa o 14º lugar no Índice de Proficiência em Inglês da EF para falantes não nativos.